É FODA | DOMINGOS GUIMARAENS

 

É foda por que

São milhões de orgasmos

Pessoas gritando

Morrendo nascendo

Tudo está acontecendo

Agora

A cada letra que digito

Na tela nervosa

Rachada do celular

Agora

A cada dígito que roda

Na bolsa

Nas apostas

Na máquina registradora

Caça níquel

De cada bala perdida

Camisinha

Croissant

Cruzando os céus

Bilhões de gemidos

Estrelas que explodem

E depois a vida com suas esquinas

Encruzilhadas esquisitíssimas

Aquelas perguntas

Tudo

Agora

Ao mesmo tempo

Quantos tiros disparados?

Mensagens disparadas

Quantas bombas detonadas?

Agora

Milhões de pessoas

Que não param de trepar

Crianças sem mãe

Com mãe também

Ou mães

Sem pai nem comento

Pessoal tá nem aí

Mas as crianças estão 

Chorando

Querendo mamar

Sugar algo de vida

Nessa esquina

Pós apocalíptica

Estranhíssima

Um letreiro neon

Até hoje o futuro

Tem um letreiro neon

Piscando frenético

Meio queimado

Aproveitando dessa luz

Uma mãe limpa a bunda da criança

No próprio joelho

Usa a espiga de milho

Que comeu no jantar

Pra limpar o coco na perna

Agora

Milhões dessas coisas

Que parecem bizarras e

Banais

Acontecem ao mesmo tempo

Eu cagando no banheiro

Você lendo

É como se estivéssemos

Sempre no mesmo lugar

Mas tem a vida

Esse caminho franzino

Entre o céu e o inferno

Ou o ar e o subsolo

Enfim

Qualquer coisa que você acredite

Porque

Agora

Tem um tanto de gente rezando

Abaixando a cabeça

O tambor comendo

E o medo

O gozo

A fé

Ainda bem que tem algo depois

Daquelas encruzilhadas

Esquisitíssimas

E daquelas perguntas

Ainda bem que alguém

Sabe responder

Tem alguém respondendo

Agora

Mas eu não escuto muito bem

Se falassem todos a mesma língua

E ao mesmo tempo

Agora

Eu escutaria

Não importa onde estivesse

No cu do mundo

Escuro

Imundo

Cu também é legal

Mas enfim

Eu escutaria a resposta

Mas é tudo um som

Indistinto

Esse ruído de fundo

No contrário do olho

Um montão de gente

Vendo

Agora

Qualquer coisa acontecer

No olho do cu

Na TV

Na tela de amoled

No relógio

Na laranja mecânica

Daquela encruzilhada

Cheia de perguntas

Que me perseguem

O que tem para comer?

O que você vai fazer

No final de semana?

Quanto sobrou do troco?

E eu não sei

O que dizer

Agora

Porque parece tudo banal

Mas é seríssimo

Os gritos de cada morte

Os gritos de cada gozo

Os gritos de cada choro

E a cigarra cantando alto

Até explodir

Em um verão incomum

Frio nos trópicos

Tanta gente com calor

Agora

O suor que escorre

Da parede da sauna

O sangue que escorre

Da menstruação

O samba

O sal

O semba

A cumbia

O tamborzão

Agora

Alguém que te chama

Que me chama

A encruzilhada

A esquina

A pergunta

Mas eu não escuto muito bem

Queria que fosse diferente

Mais devagar

Mas

Tudo está

Acontecendo

Agora

 

*Créditos da gravação: voz de Domingos Guimaraens e baixo de Ricardo Dias Gomes

 

It’s fucked up

There are millions of orgasms

People screaming

Dying being born

Everything’s happening

Now

With every letter I type

On my cellphone’s

Nervous cracked screen

Now

With every number that turns

In the stock market

In the bets

In the cash register

Slot machine

From every stray bullet

Condom

Croissant

Crossing the skies

Billions of moans

Stars that explode

And then life

With its odd street corners

Crossroads

Those questions

Everything

Now

At the same time

How many gunshots fired?

Messages fired off

How many bombs set off?

Now

Millions of people

Who won’t stop fucking

Kids with no mom

With a mom also

Or moms

With no dad not to mention

Nobody cares

But the kids are

Crying

Wanting to breastfeed

To suck some life

Into this strange post-apocalyptic

Street corner

A neon sign

Even today the future

Has a half burnt out

Neon sign

Flashing frenetically

Making the most of this light

A mom cleans her kid’s butt

On her own knee

Using the corncob

She ate for dinner

To clean the poop on her leg

Now

Millions of these things

That seem bizarre and

Banal

Happen at the same time

Me shitting in the bathroom

You reading

It’s as if we were

Always in the same place

But there’s life

This narrow path

Between heaven and hell

Or the air and the subsoil

Anyway

Whatever you believe

Because

Now

There’s quite a lot of people praying

Lowering their heads

Drums beating

And the fear

The orgasms

The faith

Thank goodness there’s something beyond

Those odd street corners

And those questions

Thank goodness somebody

Knows how to answer

There’s somebody answering

Now

But I can’t hear very well

If everybody spoke the same language

And at the same time

Now

I’d hear it

No matter where I was

Where the sun doesn’t shine

Dark

Dirty

It’s cool because

I know the sun’s gonna shine

In my backdoor someday

But anyway

I’d hear the answer

But it’s all one indistinct sound

This background noise

Opposite the hole

A bunch of people

Seeing

Now

Anything happen

In their asshole

On their TV

On their AMOLED screen

On their watch

In the clockwork orange

Of that crossroad

Full of questions

That haunt me

What is there to eat?

What are you going to do

On the weekend?

How much change is left over?

And I don’t know

What to say

Now

Because everything seems banal

But it’s serious

The screams from every death

The screams from every orgasm

The screams from every sob

And the cicada singing loudly

Until it explodes

In an uncommonly cold summer

In the tropics

So many people feeling hot

Now

The sweat that drips

From the wall of the sauna

The blood that flows

From the menstruation

The samba

The salt

The semba

The cumbia

The big drum

Now

Somebody calling you

Calling me

The crossroads

The street corner

The question

But I can’t hear very well

I wish it were different

Slower

But

Everything is

Happening

Now

 

**Translated from the Portuguese by Marco Alexandre de Oliveira

 


Domingos Guimaraens nasceu em 1979 no Rio de Janeiro. É poeta e artista visual, doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. É organizador de eventos de poesia, artes visuais e artes integradas. De 2003 a 2006 foi um dos organizadores do CEP 20.000, Centro de Experimentação Poética, que existe no Rio desde 1990. Em 2018 publicou Agora também antes pelo selo Mega Mini da Editora 7letras. Em 2011 publicou Um épico, pela Cartoneira cArAtApA. Em 2008, juntamente com Os Sete Novos, lançou o livro Amoramérica. Em 2006 publicou A Gema do Sol também pela editora 7 Letras. Tem textos publicados em antologias de poesia como É agora como nunca (org. Adriana Calcanhoto), Garganta (editoura Azougue). Está incluído na antologia internacional En la outra orilla del silencio, poetas brasileños contemporáneos, publicada no México, pela Libera/Unam, em 2012. Desde 2008 trabalha com o coletivo OPAVIVARÁ! viajando e expondo com o grupo por todo Brasil e no exterior. www.opavivara.com.brwww.ossetenovos.org

Leave a Comment

Categorías