POEMAS CONTAGIOSOS | CAIO CARMACHO


SUA MSG NÃO FOI RESPONDIDA COM SUCESSO

porque estava limpando a bunda
da minha filha

porque carbonizei o arroz
e entupi o ralo da pia

porque baixaram um decreto novo
enquanto via as novidades
do pornhub

porque a louça tem vida própria
e não se lava sozinha

porque o trabalho se tornou uma entidade
que só devolve meu corpo após às 18h

porque o aspirador virou uma extensão
inoxidável do meu corpo

porque empalava mentalmente meus vizinhos
patriotas

porque não consigo digitar nada são

porque tentei ler ulisses do joyce
e dormi novamente na primeira nota do tradutor

porque a instantaneidade tecnológica é incompatível
com minha roupa suja

porque a umidade da parede agora tem crateras lunares
que lembram os rostos das celebridades

porque vi e fiz que não vi
e agora estamos aqui

afinal
o que vc quer?


TUDO IGUAL

cansado demais
para escrever poesia
que pra mim
é a vida pulsando
dentro da vida

o oposto do que sinto agora
:
inação
ar parado
falta de vitamina d

a alvura da página
qual luz matinal
atravessando a janela
revelando a poeira
para se instalar geométrica
no chão da sala

para que tanta luz, meu deus
pergunta meu coração
vampiro

enquanto assassina drummond
& canta fito

quién dijo que todo está perdido?
yo vengo a ofrecer mi corazón

estamos aqui
eu e o poema
cultivando florestas
de pelos pubianos
em vez de planos

permanecemos estendidos
sobre o mesmo colchão
e com o mesmo conflito

de dar aos vivos
aquilo que nem temos


A LINGUAGEM É UM VÍRUS

:
recomenda-se álcool gel
máscaras distância
de 1 metro de livros
pessoas redes sociais
cobrir a boca e o nariz
lavar as mãos
ficar em casa
porque o risco existe
e está aqui dentro
e está lá fora
você sabe
qualquer contato pode ser
fatal e não tem
pra onde correr
mesmo assim
evite dar bandeira
olhe todo mundo de soslaio
desconfie do vizinho ao lado
e do almoço terceirizado
hoje o amor tirou férias
e a ignorância está no ar
para contagiar geral e quem
pensa em sair ileso
vale lembrar da máxima
lá no começo
:
a-lin-gua-gem-é-um-ví-rus

 


Caio Carmacho é poeta, agitador cultural e idealizador do sarau Picareta Cultural. Durante anos, foi curador literário da OFF FLIP, a programação paralela à Festa Literária Internacional de Paraty. Publicou seu primeiro livro de poemas Livre-me em 2013, pela Editora Patuá.

Leave a Comment

Categorías