A MULHER SUBMERSA

SERRA SEM FIM (este texto é parte de uma sequência que ainda venho escrevendo, em prosa poética. a “serra sem fim” tem como base a cena do vapor pairando sobre o rio das antas, cedo da manhã, na serra gaúcha) a mulher nascida na serra sem fim se levanta os fios do seu cabelo amanhecem úmidos, de terem sido lavados muito tarde ontem. ela sente o assoalho – a planta dos pés da mulher da serra sem fim é sempre áspera. ela vive caminhando descalça no chão de pedra...
  • diciembre 18, 2020
  • 0 Comentarios
Leer más
Categorías